© 2013 rachel bonino Jambo-vermelho

Jambo-vermelho

02 jul 2013

Mês de julho é época de jambo-vermelho no Pará. As cestas de palha do mercado Ver-o-Peso e as bancas dos supermercados de Belém estão carregadas do fruto de cor bem rosada e do tamanho de uma pera. À primeira mordida, a sensação é ter a boca cheia de uma água perfumada. A polpa do jambo é bem tenra e de sabor suave. No centro, uma semente grande, de cor acastalhada.

Quando estive lá, comi um, dois e – confesso –, dava para devorar outros mais, só para continuar com aquele fresco na boca. É fruta para matar a sede nesse calorão que faz na capital paraense. Tanto é verdade que tem barraca e vendedor nos cruzamentos vendendo o jambo entre os carros. Ou seja, a fruta até disputa o mercado com as garrafas de água gelada.

Apesar de não ser daqui do Brasil – é originário da Malásia –, o jambo assim como a manga se adaptou tão bem para no Norte do país que  pode ser encontrado em toda a Amazônia. Existem jambeiros nas capitais e também no interior, “e, não raro, em estado subespontâneo no meio da vegetação natural, em lugares de antigas habitações”, menciona Paulo B. Cavalcante, em seu compilado Frutas comestíveis na Amazônia (um dos mais importantes estudos sobre as frutas do norte do país, datado de 1972 – falarei desta obra mais em breve!).

Também é possível consumir o jambo cozido, em conserva e até em forma de vinho! Bom, vou comprar alguns no meu último dia aqui para fazer alguns testes na cozinha. Parece que a compota de jambo é muito gostosa, e forma uma calda rosada bem viscosa. A ver!

Referência:
CAVALCANTE, Paulo B. Frutas comestíveis na Amazônia. 7. edição. Belém: Museu Paraense Emilio Goeldi, 2010.

 

*Ei, você! Quer sempre saber das últimas do Sacola? Então curte a  página do blog do Facebook!

 

compartilhar:

Um comentário

  1. Xavier Silva
    Postado setembro 17, 2013 em 1:31 pm | #

    Olá! Sou cantor do Coral Paulistano, mas também adoro passar um tempo na cozinha preparando guloseimas para meus amigos e convidados. Meu Baião-de-dois recebeu uma releitura, na qual acrescento o “pequi”. Sou um curioso, e como tal virei outras vezes aprender e apreender com suas informações. Obrigado pelo profissionalismo e dedicação na conservação e transmissão de nossos ingredientes. Um abraço com votos de SUCESSO!!!

Deixe seu comentário

Seu email ainda não foi publicado. * Campos obrigatórios

*
*